Acompanhe nossas Transmissões

Acessar

Acompanhe nossas Transmissões

Web Rádio -Web TV - Vídeos Transmissões Ao vivo

BRASIL | RUMORES: Haverá uma nova greve dos caminhoneiros?

O movimento dos caminhoneiros prometem nova greve para segunda-feira, dia 1º de novembro
O movimento dos caminhoneiros, que prometem nova greve para a próxima segunda-feira, dia 1º de novembro, está sendo ampliado, mas tamanho da adesão ainda é incerto


Preço do diesel e piso mínimo de frete são as pautas da greve (Crédito: Arquivo Agência Brasil - Valter Campanato )

Os rumores sobre uma nova greve dos caminhoneiros a partir da próxima segunda-feira, 1º, ganharam força nas redes sociais nesta semana. Várias frentes da categoria se organizam e mobilizam profissionais para participarem da paralisação. Informações sobre a proposta de reivindicação são compartilhadas principalmente pelo Whatsapp. 

Segundo informações divulgadas pela revista Exame, entidades como o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL) estão mobilizando caminhoneiros há vários dias. Um dos líderes da paralisação da categoria que aconteceu em 2018 teria dito a interlocutores que o nível de organização de hoje é ainda maior do que o alcançado pela categoria três anos atrás com a manifestação que parou o País.
 

 No entanto, ainda segundo a Exame, a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), que reúne entidades representativas da categoria, disse ter consultado mais de 100 sindicatos e sete federações sobre a possibilidade de uma greve no dia 1º. De acordo com a CNTA, ainda não há registros que comprovem a adesão ao movimento. 

O Ministério da Infraestrutura também confirmou não ter recebido comunicados sobre convocações de greve. 

Apesar de a manifestação não ter sido oficializada, em uma reunião realizada na quinta-feira, 28, na Câmara dos Deputados e por videoconferência, representantes de caminhoneiros reiteraram aos parlamentares que a greve está mantida. “Apresentamos a agenda, questionamos a política de preços dos combustíveis da Petrobras, pedimos apoio aos deputados nas pautas e reforçamos a greve para o dia 1º. O recado foi dado”, relatou o presidente do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), Plínio Dias, ao Broadcast Agro, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Transportadores rodoviários autônomos e celetistas afirmam que vão paralisar as atividades em 1º de novembro caso o governo não atenda às reivindicações da categoria.

No encontro, caminhoneiros apresentaram as demandas principalmente de cumprimento do piso mínimo do frete rodoviário, aposentadoria especial a partir de 25 anos e fim da política de preço da paridade de importação da Petrobras para combustíveis.

A reunião foi organizada pela Frente Parlamentar Mista dos Caminhoneiros Autônomos e Celetistas. Segundo o presidente da frente, deputado federal Nereu Crispim(PSL-RS), mais de 80 lideranças de caminhoneiros de vários Estados do País e quatro deputados participaram da reunião.

Integrantes do Executivo foram convidados mas não estiveram presentes, conforme o deputado. “A manifestação da maioria foi de que ainda dá tempo do governo tentar estabelecer uma conversa, mas sem discursos que afrontem à categoria”, disse Crispim à reportagem.

Na reunião, o deputado pediu mais diálogo e entendimento do governo em relação às demandas da categoria.




Fale conosco ou participe do nosso grupo do WhatsApp




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM