BALSAS | Crescimento econômico

Codevasf foi autorizada fazer a licitação para estudos sobre viabilidade do novo aeroporto de Balsas
O investimento do governo federal será da ordem de R$ 2,6 milhões, oriundos do Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC) (Divulgação)




Foto Reprodução da Web

 



SÃO LUÍS- A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) recebeu sinal verde do Ministério da Infraestrutura (MInfra), por meio da Secretaria Nacional de Aviação Civil, para abertura do processo de licitação objetivando a contratação dos serviços de elaboração de estudos e projeto básico de construção do novo aeroporto regional de Balsas, no sul do Maranhão. O investimento do governo federal será da ordem de R$ 2,6 milhões, oriundos do Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC). O edital deve ser publicado no site da Companhia no mês de junho. O prazo para conclusão do projeto é de 15 meses.

 

Os estudos preliminares e de viabilidade técnica foram elaborados pelo Banco do Brasil em parceria com a Secretaria Nacional de Aviação Civil. Para Sérgio Costa, diretor da Área de Desenvolvimento Integrado e Infraestrutura da Companhia, setor responsável pelo projeto, a construção do novo aeroporto é estratégica para a região. “O empreendimento irá promover a integração e o desenvolvimento econômico, além de proporcionar autonomia para a região e visibilidade em torno do agronegócio, uma vez que Balsas é um dos centros de negócios do Matopiba (área entre os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) que responde por grande parte da produção brasileira de grãos e fibras ”, explica Costa.

O atual aeródromo de Balsas foi declarado inviável para expansão, por estar imerso na malha urbana, sem possibilidade de receber operações de aeronaves de maior porte. Já o novo aeroporto será construído às margens da BR-230 em uma área que fica a 17 km de distância do centro da sede do município. Será composto por um moderno e avançado terminal de passageiros, pátio de estacionamento de aeronaves, pista de pouso e decolagem, seção contra incêndio, pista de táxi, dentre outros equipamentos para melhor acomodar os usuários e passageiros.

Para Emílio de Souza Santos, gerente de Estudos e Projetos da Codevasf, esse projeto é um marco para a Companhia, consolidando a nova linha de negócio em desenvolvimento urbano, integrado com a expertise da empresa no desenvolvimento rural. “A estrutura técnica e experiência regional da Codevasf foi fundamental para firmar este primeiro termo de parceria com a SAC/MInfra. Na entrega das especificações técnicas fomos elogiados pela qualidade do trabalho. Vamos continuar trabalhando duro para entregar para a sociedade qualidade no projeto final e, posteriormente, na obra, bem como em outros projetos que virão com novas parcerias”, enfatiza Santos.

Crescimento econômico

A construção do novo aeroporto de Balsas está planejada para 2022, impulsionando o complexo agroindustrial do Matopiba e o complexo turístico da Chapada das Mesas. As cidades de Riachão, Carolina, Pastos Bons e São João dos Patos estão entre as que serão beneficiadas com o empreendimento.

“Trata-se de um grande investimento do governo federal para toda a região sul do Maranhão, algo que trará mais desenvolvimento econômico para os municípios do entorno de Balsas. O aeroporto deve proporcionar ganhos estratégicos e incentivos à exportação, transformando as condições econômicas de toda a região onde será instalado”, avalia o superintendente regional da Codevasf no Maranhão, Jones Braga.

Os estudos e projetos serão elaborados para que o aeroporto esteja apto a receber aeronaves Embraer 195E2 e Boeing 737-700 (3C). Dessa forma, aeronaves de grande porte terão condições de pousar e decolar no Balsas. Atualmente, no Maranhão, somente as cidades de São Luís e Imperatriz recebem voos de grandes companhias aéreas.

Segundo o Plano Aeroviário Nacional (PAN), “o transporte aéreo tem papel fundamental na integração nacional, regional e internacional pela qualidade de deslocamentos de longa distância em pouco tempo, proporcionando mobilidade interurbana apesar das distâncias”. O Brasil possui dimensões continentais e forte potencial agrícola e turístico, que reflete em uma forte demanda na ampliação da infraestrutura aeroportuária, principalmente de aeroportos regionais, que são importantes modais de integração da produção, tecnologia, turismo e negócios.



FONTE: O Estado do Maranhão

 





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM