POLÍTICA | POLÍTICA ATUAL:Saneamento básico

Senadores Eliziane Gama e Weverton Rocha votam contra o marco regulatório de saneamento básico no país
No Brasil, onde 104 milhões de pessoas não têm coleta adequada de esgoto e 35 milhões não têm água tratada, 13 senadores votaram contra o novo marco regulatório de saneamento básico e do Maranhão, Eliziane Gama (Cidadania) e Weverton Rocha (PDT), estão entre eles.




Foto Reprodução: Senadores Eliziane Gama e Weverton Rocha.

De acordo o texto aprovado, os atuais contratos de municípios com estatais de saneamento, geralmente estaduais, serão mantidos até o fim do prazo pactuado.

Hoje os contratos assinados entre os municípios e as empresas estatais de saneamento são dispensados de licitação. A mudança aprovada pelo Congresso coloca as empresas prestadoras de serviço, tanto privadas quanto públicas, em condições de maior igualdade de competição.

O projeto estabelece que os atuais contratos de programa poderão ser renovados pelas partes, por mais 30 anos, até 30 de março de 2022. O mesmo se aplica às situações precárias, nas quais os contratos terminaram, mas o serviço continuou a ser prestado para não prejudicar a população até uma solução definitiva.

Os novos contratos deverão conter a comprovação da capacidade econômico-financeira da contratada, com recursos próprios ou por contratação de dívida. Essa capacidade será exigida para viabilizar a universalização dos serviços até 31 de dezembro de 2033.

A metodologia para comprovar essa capacidade econômico-financeira será regulamentada por decreto do Poder Executivo. Quem dará as diretrizes será a Agência Nacional de Águas (ANA).
O prazo do novo contrato seguirá a lei de concessões, com até 30 anos de vigência.

As cidades terão até 31 de dezembro de 2022 para publicarem seus planos de saneamento básico para incluí-los no Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Básico (Sinisa) e conhecimento da ANA.

Poderão ser considerados como planos de saneamento básico os estudos que fundamentem a concessão ou a privatização, desde que contenham os requisitos legais necessários.

Para fechar o contrato, os municípios menores podem se reunir em blocos com a liderança do governador do estado. Desta forma, cidades mais atrativas para empresas prestadoras do serviço podem estar no mesmo bloco que municípios periféricos, o que pode facilitar a inclusão de áreas afastadas.

Confira a lista dos senadores que votaram contra o marco regulatório do saneamento básico:

Rogério Carvalho (PT)
Paulo Paim (PT)
Humberto Costa (PT)
Jean-Paul Prates (PT)
Jaques Wagner (PT)
Paulo Rocha (PT)
Weverton Rocha (PDT)
Randolfe Rodrigues (Rede)
Sérgio Petecão (PSD)
Eliziane Gama (Cidadania)
Veneziano Vital do Rêgo (PSB)
Zenaide Maia (PROS)
Mecias de Jesus (Republicanos)





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍTICA   |  06/07/2020 - 20h





POLÍTICA   |  30/06/2020 - 07h


POLÍTICA   |  24/06/2020 - 13h